Uma última oração

“Mas quando terminou o nosso tempo ali, partimos e continuamos nossa viagem. Todos os discípulos, com suas mulheres e filhos, nos acompanharam até fora da cidade; e ali na praia nos ajoelhamos e oramos” (Atos 21:5).

Paulo e alguns cristãos de Tiro tiveram a oportunidade de reunir-se enquanto o apóstolo passava pela cidade, e compartilharam juntos durante uma semana. O Espírito Santo permitiu que esses cristãos previssem a perseguição que Paulo teria de suportar em Jerusalém e queriam a todo custo protege-lo. O apóstolo, entretanto, sabia onde o Senhor queria que ele fosse e não se deixou desviar desse propósito. Ao partir, todos os discípulos e suas famílias o acompanharam até o navio, onde se ajoelharam na praia para orar, antes da despedida.

Esses amigos sabiam dos perigos que Paulo teria de enfrentar – e talvez também eles, pois as nuvens da perseguição já começavam a se formar. É possível que tenham orado pedindo segurança, mas certamente oraram também por direção e coragem para realizar o trabalho do Senhor. É igualmente provável que tenham orado uns pelos outros quando estavam separados – Paulo menciona isso em suas cartas.

Devemos nos lembrar de orar pelo cônjuge quando sai para o trabalho. Orar pelos filhos quando vão à escola. Orar pelos amigos quando cumprem suas tarefas diárias. Ou pelos hóspedes quando deixam nossa casa. A oração é a ferramenta mais importante que temos como cristãos; é nosso elo com Deus. Não a negligenciemos ao separar-nos de outras pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here